segunda-feira, 23 de março de 2015

Caçada em 23/Março - Detector preguiçoso


Se tem dias em que não se acha nada, então estou vivenciando-os plenamente...

Hoje nem os lacres queriam aparecer. Parecia que o detector estava sem vontade de achar nada, com uma preguiça de apitar que dava até dó.

Pensei até que estava com algum defeito, ou que a praia tinha sido inexplicavelmente limpa.

Depois de 3 horas, tudo que ele se dignou a apitar foi isso:



Umas moeditas, um molho de chaves, duas argolas, um gancho enferrujado e um bonequinho de metal. Acho que um pequeno mosqueteiro ou bandeirante.

Hoje tentei ir defronte à ilha de Urubuqueçaba, na divisa Santos/São Vicente.

A ilha é um oásis semi-virgem em meio à ocupação urbana. 
Localizada a somente 100 metros da faixa de arrebentação, ainda na praia do José Menino, a ilha permanece praticamente intocada, apesar de terem havido vários projetos de ocupação, nunca conseguiram ir adiante.




Urubuqueçaba (ou também Urubuquiçaba), significa local de pouso dos urubus. E realmente há muitos urubus na ilhota. Dizem que há cobras também, mas nunca tive a chance de ir lá para conferir.

É bem perigoso, pela estrutura rochosa e mata fechada.  
Apesar de que, em raras ocasiões, a maré fica baixa o suficiente para exibir uma faixa de areia que convida a ida até lá, o caminho se fecha rapidamente e isola os incautos visitantes que ficam sem ter como sair.  

O encontro das ondas forma um jogo perigoso de águas traiçoeiras.



Achei que neste pedaço haveria chance de encontrar algo especial, mas qual... encontrei pouquíssimas coisas.

Mas sou brasileiro e não desisto nunca!  Dias ruins não vão me derrubar.









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário: